Pessoalmente | psicoterapia
30
archive,category,category-psicoterapia,category-30,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-16.7,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

Vivemos uma era de tensões sociais e psicológicas verdadeiramente significativas, lutamos pela sobrevivência física, mental e económica numa época de incertezas e indefinições. Da ansiedade à solidão, que impacto está a ter este vírus em cada um de nós?  O novo coronavírus varreu o mundo num momento em que as pessoas vivem mais sozinhas do que nunca na história da humanidade...

Como se superam as desafiantes experiências da vida, como a morte de alguém que tanto gostamos, a perda de um emprego ou o diagnóstico de uma doença grave?  A grande maioria das pessoas reage a estes momentos com um tsunami de emoções, sentidos e vividos como negativos e difíceis, bem como uma intensa sensação de desconforto; no entanto, com o tempo,...

Porque os diálogos internos podem ser angustiantes e exaustivos, sugerimos algumas vozes alternativas para as que estão atualmente presentes em nós com maior sofrimento, medo e insegurança.   "Imagino o pior cenário como se tivesse a certeza que vai acontecer" ALTERNATIVA: Penso nas muitas outras possibilidades sobre o que pode acontecer e na informação dos dados estatísticos.         2. "Fico obcecado...

Gratidão - também uma capacidade de visão ampliada sobre a vida, que se estende para além de nós e dos materialismos que nos rodeiam (ou que nos pertencem) - na base de maiores níveis de satisfação?    Se está curioso sobre o tema da gratidão, estendo-lhe este convite para refletir: olhe para si, para tudo o que tem neste preciso momento,...

Quando pensamos num processo psicoterapêutico, pensamos muitas vezes numa forma eficaz de controlar, moderar ou eliminar sintomas que, simplesmente, menosprezamos. Eventualmente localizar a origem e depois… livrar-nos deles rapidamente, para que rapidamente se extingam “as dores”. Mas será mesmo assim? E se, ao invés de expulsar (muitas vezes esconder) os sintomas, os convidássemos para nossos aliados no processo psicoterapêutico? Charles Darwin...